Welcome to the Transformative Economies Curriculum!

Economias Transformativas é um termo de enquadramento emergente para todas as "propostas de transformação socioeconómica que envolvem novas formas de pensar e de se envolver na economia". Com base numa abordagem crítica destinada a construir um sistema socioeconómico, coloca as pessoas, as suas comunidades e o seu ambiente no centro" (Fórum Social Mundial das Economias Transformativas, 2020). As Economias Transformativas "criam novas relações económicas entre diferentes formas de vida e materiais" e "actuam para mudar os recursos e a forma como os recursos são compreendidos (cuidado) ou repartidos (justiça)" (Ann Light, 2021). 

Consequentemente, as Economias Transformativas questionam o modelo linear de extracção de recursos para tratamento de resíduos e promovem abordagens regenerativas preocupadas com a integridade e a saúde de comunidades e ecossistemas na sua totalidade. As Economias Transformativas também cultivam uma consciência profunda das relações de poder, dignidade e bem-estar, pelo que valorizam o trabalho de cuidados reprodutivos, avançam com abordagens inclusivas e participativas, e propõem-se a curar a injustiça histórica e a superar a desigualdade contemporânea.

Vários movimentos contribuem com quadros e práticas relevantes, iniciativas locais e redes (inter)nacionais para o âmbito das Economias Transformativas. Estes movimentos incluem:

  • Economia Social e Solidária
  • Economia baseada em Bens Comuns
  • Economia Feminista
  • Agroecologia e Soberania Alimentar
  • Descrescimento e Pós-Crescimento
  • Economias baseadas na comunidade (por exemplo, Riqueza Comunitária e Reconomia)
  • Economia Regenerativa
  • Economia para o Bem Comum
  • Economia do Bem-Estar
  • Economia Azul
  • Economia Donut

Os primeiros quatro desta lista foram precedidos pelo Fórum Social Mundial para as Economias Transformativas e inspiraram com mais força o desenvolvimento deste currículo.

Há também tendências importantes que estão a penetrar e a mudar a economia existente, como por exemplo:

  • Economia de Partilha e Plataforma
  • Economia Circular
  • Inovação Social
  • Empreendedorismo Social
  • Digitalização (incluindo software e hardware gratuito e de código aberto)
  • Resiliência e Relocalização das Cadeias de Abastecimento
  • Consumo Responsável
  • Responsabilidade Social das Empresas

Depende de como e por quem exatamente estas tendências são moldadas e decretadas, se estão a reforçar ou mesmo a exacerbar o sistema operacional económico dominante ou se contribuem para preparar o terreno ou amplificar as Economias Transformativas. Por conseguinte, este currículo visa promover uma avaliação crítica destas tendências.

Para quem é?

Este currículo tem sido desenvolvido por e para agentes de mudança que se sentem chamados a catalisar transformações sócio-económicas que afirmam a vida de forma holística a nível individual, organizacional, comunitário e bioregional. 


Pode ser utilizado de diferentes maneiras, em diferentes contextos, para vários fins:

  • por indivíduos ou por grupos;
  • por auto-aprendizes e por formadores ou facilitadores de grupos;
  • em iniciativas lideradas por um grupo informal (ou rede), numa organização formal (ou parceria de organizações), ou numa mistura destas situações;
  • para apoiar o processo de criação de uma nova iniciativa, ou para consolidar, reorientar ou impulsionar uma iniciativa existente.


Utilizamos o termo "iniciativa" como genérico para abranger indivíduos, equipas, projectos, organizações, comunidades ou redes que procurem catalisar a transformação sócio-económica.

De que se trata?

 
 

4 MÓDULOS -> 1 PROCESSO DE DESIGN -> 5 + 3 FASES DE APRENDIZAGEM ->

MUITAS PRÁTICAs

UM CURRÍCULO TRANSFORMADOR

Este é um currículo com vários percursos a escolher, dependendo da sua curiosidade e das suas necessidades actuais. O convite é para uma viagem de aprendizagem que   a conecta ao potencial do lugar e da comunidade a que pertence. Esta viagem apoia (a si e aos seus colaboradores) na sensibilização e no aprofundamento da sua compreensão das abordagens que ajudam a imaginar, criar ou fazer avançar a sua iniciativa na perspectiva das Economias Transformativas. O currículo foi deliberadamente concebido para a aprendizagem experimental, ou seja, ser-lhe-á pedido que se envolva num processo de design colaborativo feito de uma série de práticas relevantes e que reflicta sobre as experiências que está a ter no processo. 


O currículo é composto por quatro módulos. Em cada módulo passará por um processo de design seguindo as mesmas cinco fases de questionamento mais três momentos que suportam a abertura e o encerramento de cada processo de design e entrando numa reflexão mais profunda sobre os conceitos de Economia Transformativa.


Em cada etapa, é convidado a passar por práticas que, de forma crescente, farão sentido e deixarão emergir e manifestar o potencial do seu lugar único com a sua comunidade única. 

QUATRO DIMENSÕES QUATRO MÓDULOS

Ao desenvolver uma iniciativa de Economia Transformativa, diferentes pólos de atividade competem pela nossa atenção, recursos e capacidades. O principal desafio é encontrar o equilíbrio dinâmico entre duas polaridades:

★  Cuidar do que se passa dentro da sua iniciativa e de como ela se permite ou se limita ("a saída está dentro"), estando também atenta ao que se passa no contexto em que a sua iniciativa está localizada e em que intervém (lugar e região, sector e domínio, partes interessadas e comunidade local....);

★ Estabelecendo e cultivando tanto quanto possível relações de confiança, de convivência e de co-criação, interna e externamente (dinâmica comunitária), passando ao mesmo tempo das ideias à implementação (dinâmica de concretização).

Dos quatro quadrantes que estes eixos definem, quatro dimensões representam aspectos distintos do desenvolvimento da iniciativa. São complementares e ajudam na compreensão da economia da iniciativa a partir de diferentes perspectivas. O objectivo destas quatro dimensões é apoiar uma abordagem sistémica e integradora, permitindo ao mesmo tempo trabalhar aspectos distintos, um de cada vez, reforçando a complementaridade de dimensões distintas da transformação das iniciativas.

CCTE - Curriculum PROP2-04 (1)

MÓDULO A - PROPÓSITO DE CUIDADO 

Concentrada no que dá vida a uma iniciativa: o seu propósito. Um propósito de cuidado tem em consideração as necessidades, potencialidades e limites do seu contexto social e ecológico, bem como as aspirações das pessoas que estão a contribuir para a iniciativa.

MÓDULO B - CULTURA E GOVERNANÇA PARTILHADA

Centrada na cultura, estrutura, governança e desenvolvimento da organização. Aborda o poder e a participação, a diversidade e a inclusão dentro da iniciativa, os processos para tomada de decisão, a coordenação do trabalho, a distribuição de papéis e a alocação de recursos.

MÓDULO C - PARCERIAS SINÉRGICAS

Centrado na forma de criar e manter parcerias a longo prazo com outras iniciativas transformadoras e entre instituições mutuamente benéficas, que geram em conjunto mais impacto desejável do que cada uma delas sozinha, e que começam a constituir um sistema de transformação imbuído de intencionalidade colectiva. 

MÓDULO D - ACÇÃO ECO-SOCIAL

Concentrada no que a iniciativa está a fazer que é de valor para as suas partes interessadas e para o bem comum em geral. Explora diferentes escalas e tipos de ação, bem como os seus respectivos efeitos desejados e indesejados em termos de pegada ecológica, social e de biodiversidade.



4 MODULES SYNTHESIS with spiral-09-09